Encontre rapidamente o que procura:


  usando o Googl

This free script provided by JavaScript Kit

Menopausa

Página Principal Doenças Medicamentos Dependências Lazer Cuidados Corporais Cuidados Alimentares Primeiros Socorros Vida e Saúde Medic Alternativos



Voltar Hormonas

O que é a menopausa?

Também chamado de climatério, o termo menopausa refere-se à última menstruação. No entanto associa-se ao período que medeia a idade fértil, de menstruação regular e a última menstruação. Nesta fase da vida da mulher, que ocorre geralmente entre os 45 e 55 anos, há perda progressiva do funcionamento dos ovários, devido ao envelhecimento destes, que acarretam alterações hormonais.

É um acontecimento natural na vida da mulher e não deve ser encarado como uma doença. No entanto a descida dos níveis hormonais causa frequentemente problemas preocupantes como afrontamentos, suores nocturnos, alterações de humor, distúrbios no sono, secura vaginal e perturbações urinárias.

As hormonas (estrogénio e progesterona) que deixam de ser sintetizadas eram responsáveis pela manutenção dos órgãos genitais femininos e estão associados a reacções metabólicas que regulam o cálcio, o sódio, o potássio, a água e as gorduras. Devido a isto a mulher poderá sofrer de osteoporose, ter aumento da tensão arterial ou engordar.

Importância das Hormona

Sintomas

Topo

Os sintomas observados são:

Instabilidade vasomotora - afrontamentos que consistem em calor súbito, rubor, suores nocturnos, palpitações e ansiedade;
Atrofia do epitélio urogenital com secura vaginal, aumento da susceptibilidade a infecções vaginais, dores durante o acto sexual e diminuição do desejo sexual;
Diminuição do tamanho das mamas e tensão mamária;
Osteoporose;
Nervosismo, ansiedade, irritabilidade e depressão;
Fadiga;
Dores de cabeça.

Os sintomas mais característicos da menopausa e aqueles mais precoce e frequentemente se manifestam são os afrontamentos. Descritos como uma sensação de calor começando no peito e espalhando-se pela face, podem estar associados a : 

Transpiração excessiva, muitas vezes durante a noite;
Pele visivelmente ruborizada;
Taquicardia.

A nível da mucosa vaginal, que é uma estrutura estrogénio-dependente, a baixa dos estrogénios também se manifesta e a mucosa vaginal atrofia-se, o pH sobe e a secreção vaginal reduz-se, podendo mesmo desaparecer. Isto leva ao aparecimento de secura vaginal comirritação, dor e ardor durante as relações sexuais e susceptibilidade à infecção. A atrofia urogenital, com ou sem incontinência urinária, pode interferir na actividade sexual da mulher e, com frequência, diminui a líbido, aumenta a ansiedade, afecta a auto-estima e o relacionamento conjugal.

A secura vaginal pode ser à superfície ou em profundidade. Manifesta-se através de irritação, sensação de queimadura, prurido, dor e ardor que são mais evidentes durante as relações sexuais. As causas da secura vaginal superficial são variadas como: parto recente, contracepção oral, relações sexuais apressadas, problemas psicológicos, etc. No caso da secura vaginal resultante da menopausa ela é em profundidade e deve-se à diminuição de estrogénios.

A nível da pele, a atrofia cutânea é traduzida por baixa elasticidade do tecido conjuntivo e uma perda do tecido adiposo subcutâneo que condiciona o seu enrugamento progressivo.

A situação que mais frequentemente surge após a  menopausa é a osteoporose e as consequências são muitas vezes pesadas, na medida em que pode estar na origem de fracturas, mais ou menos graves. A causa central da osteoporose pós-menopáusica é a carência estrogénica.

As doenças cardiovasculares constituem, de longe, a principal causa de morte na mulher pós-menopáusica em todo o mundo desenvolvido, ultrapassando em muito a mortalidade devido a doença cancerosa. No sexo feminino, a incidência de enfarte do miocárdio apresenta um aumento exponencial a partir dos 50 anos de idade, ao contrário do observado antes da menopausa em que as mulheres estão relativamente protegidas. Entre os factores de risco cardiovasculares há que destacar as alterações relacionadas com o colesterol e triglicéridos elevados, hipertensão arterial, tabagismo, obesidade e sedentarismo.

Uma sensação generalizada de cansaço é geralmente referenciada pela mulher na menopausa. A esta queixa associam-se geralmente outros sintomas:

Insónia;
Nervosismo;
Irritabilidade;
Ansiedade;
Depressão.

 

 
O que é a menopausa?
Importância das Hormonas
Quais os sintomas?
Consequências da menopausa
Qual o tratamento?

 

Consequências da menopausa

Topo

Como consequência da menopausa surgem doenças graves como a osteoporose, os cancros da mama e ginecológico e as doenças cardiovasculares. Por isso nesta idade a mulher deve fazer:

Rasteio
Rasteio do cancro da mama e do útero;
Determinação de factores de risco para doenças cardiovasculares.

Osteoporose

A osteoporose é o enfraquecimento dos ossos, que perdem cálcio, ficando mais porosos e por isso mais frágeis. É uma doença de instalação progressiva, mais vulgar e mais grave na mulher do que no homem. Os sintomas são dores nos ossos e fracturas frequentes.

Factores de risco da osteoporose:

Magreza;
Actividade física em excesso ou sedentarismo;
Tabagismo e alcoolismo;
Ingestão de pouco leite e seus derivados;
Antecedentes familiares;
Certos medicamentos como os corticoides.

Detecção:

Densiometria óssea

Doença cardiovascular

Após a menopausa os problemas cardiovasculares da mulher igualam os do homem. A mulher deixa de ter a protecção hormonal.

Factores de risco:

Hipertensão;
Colesterol;
Diabetes;
Obesidade;
Tabagismo e alcoolismo.

Detecção:

Exame médico

Cancro da mama

É o cancro mais frequente nas mulheres.

Factores de risco:

Mais importante:
Antecedentes familiares.
Menos importantes:
Menstruação precoce;
Não ter engravidado ou amamentado;
Menopausa tardia;
Obesidade;
Dieta rica em gorduras e pobre em fibras;
Alcoolismo;
Radiações solares.

Detecção:

Palpação mensal das mamas;
Mamografia.

Sinais de alarme:

Altos;
Alteração da cor ou textura das mamas;
Secreções pelos mamilos;
Invaginação mamilar.

Cancro do útero

Factores de risco:

Mais importante:
Antecedentes familiares;
Menos importantes:
Diabetes;
Menstruação precoce;
Não ter engravidado ou amamentado;
Menopausa tardia;
Obesidade;
Dieta rica em gorduras e pobre em fibras;
Alcoolismo e tabagismo;
Radiações solares.

Detecção:

Exame de Papanicolau (Esfregaço vaginal e uterino) ou Colpocitologia;
Ecografia uterina transvaginal.

Sinais de alarme:

Hemorragia pós-coito;
Corrimento esbranquiçado com odor;
Dores na bacia;
Dificuldade em urinar.

Cancro do ovário

Detecção:

Ecografia transvaginal

 

Tratamento

Topo

Os tratamentos actualmente existentes são:

Terapia de substituição hormonal;
Veraliprida;
Isoflavonas.

Terapia de substituição hormonal

O estradiol é a hormona utilizada para a terapia de substituição. Alivia a sintomatologia e evita a atrofia vaginal e a osteoporose. No entanto, os riscos de cancro do endométrio, tromboembolismo (varizes, acidentes vasculares, etc.) e hipertensão são aumentados. Para minimizar estes riscos são administrados em doses baixas e associados a progestagénios. Em mulheres menopausicas sem útero são usados somente estrogénios.

É contra-indicada quando está a amamentar, há suspeita de gravidez, tem problemas hepáticos, tem ou suspeita ter tumor dos ovários, útero ou mama, sofre de alterações vasculares, tromboembolismo ou tem diabetes mellitus.

Usa-se, por vezes a aplicação de cremes vaginais contendo estrogénios que corrigem a atrofia vaginal pós menopausica e com menos riscos.

Veraliprida

É uma terapêutica não hormonal para o tratamento sintomático da menopausa, sobretudo os afrontamentos e os sintomas neurológicos. Não têm benefícios na prevenção da osteoporose e atrofia urogenital.

Está contra-indicado em doentes com galactorreia, doença fibroquística da mama e existência ou suspeita de cancro da mama.

O tratamento é, normalmente, de curta duração, em ciclos de 20 dias por mês. Devem-se fazer exames periódicos às mamas.

É uma opção quando há risco de problemas tromboembólicos (ex.: varizes) ou risco de carcinoma dependente de estrogénios.

Isoflavonas

As isoflavonas são substâncias existentes nas leguminosas, sobretudo na soja e lentilhas e que têm uma acção benéfica no tratamento dos sintomas da menopausa. Este efeito foi observado nas mulheres orientais, consumidoras de soja, que não sofriam dos sintomas menopausicos tão intensos.

A administração de suplementos destas substâncias permite reduzir em certos casos os sintomas da menopausa sem ter aparentemente efeitos secundários. Deve-se, no entanto, ter atenção à osteoporose e à atrofia vaginal que deverão ser tratados com medicação adequada, por exemplo, suplementos de cálcio e uso de cremes vaginais.

Topo

 

 

 

Doenças Infeciosas Doenças Crónicas Medicamentos Dependências Lazer
Hepatite
Meningite
SIDA
Vacinas
Varicela
Zona
Alergias
Asma
Calendário Polínico
Colesterol
Diabetes
Gota
Hipertensão
Osteoporose
Próstata 
Analgésicos
Antigripais
Cansaço
Vitaminas
Álcool
Drogas
Tabaco
Sol/Protectores
Viagens
Cuidados Corporais Dor e Febre Primeiros Socorros Vida e Saúde Medicamentos Alternativos
Cabelo
Caspa
Celulite
Pele Seca
Piolhos
Dor Dentes
Dor Garganta
Dor Menstrual
Dor Muscular
Febre
Emergências Animais domésticos
Auto-medicação
Bebé
Contraceptivos
Emagrecer
Impotência Sexual
Menopausa
Vacinas
Acupunctura
Chá
Fitoterapia
Homeopatia
Naturopatia
Osteopatia
Quiropráxia
Tisanas
Dermatologia Aparelho Digestivo Aparelho Respiratório Aparelho Genito-urinário Olhos e Ouvidos
Acne
Afta
Calos
Dermatite
Diarreia
Frieiras
Hematomas
Herpes Labial
Micoses
Queimaduras
Varizes
Azia
Enjoos
Fígado e Vesícula
Flatulência
Hemorróidas
Lombrigas
Obstipação
Congestão Nasal
Constipação
Gripe
Ressonar
Tosse
Candidíase
Herpes Genital
Inf. Urinária
Olhos
Ouvidos

Página da autoria de Laurentino Moreira (farmacêutico) - Última actualização em 20-Fev-2014